top of page

Operação combate descaminho de eletrônicos do Paraguai que soma R$ 250 milhões

A Receita Federal do Brasil (RFB) e a Polícia Federal (PF) deflagraram, nesta quinta-feira, 19, uma grande operação contra organização acusada de atuar no descaminho e comercialização irregular de eletrônicos provenientes do Paraguai. A Justiça expediu 70 mandados de prisão preventiva e 94 de busca e apreensão em desfavor dos suspeitos.

 

A Operação Grade A incluiu mais de 60 auditores da RFB e 350 policiais federais. Os mandados são cumpridos em endereços comerciais e residenciais, nos estados do Paraná, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Piauí e Rio Grande do Sul. Na fronteira, Foz do Iguaçu também foi incluída na ação.

 

A investigação começou com a prisão em flagrante de três integrantes do grupo que atuavam como freteiros. Eles transportavam grandes quantidades de mercadorias estrangeiras ocultas em fundos falsos de veículos, viajando em comboio para dificultar a fiscalização, reportou a Receita Federal.

 

A estimativa é a de que os acusados internalizaram no país R$ 250 milhões em mercadorias, de forma ilegal, somente nos últimos três anos. O montante equivale a prejuízo acima de R$ 90 milhões aos cofres públicos, na forma de tributos sobre a importação que deixaram de ser recolhidos, contabilizou o serviço público federal.

 

O delegado da Alfândega da Receita Federal em Foz do Iguaçu, Paulo Bini, explicou que haverá desdobramentos da operação, devido a prisões e mandados cumpridos, e exemplificou o prejuízo à coletividade. “Daria para construir 1.250 casas populares, de R$ 75 mil cada, só com o que foi evadido nesse crime de descaminho”, salientou.


Operação "Grade A"


A Receita Federal detalhou como funcionava a atividade ilegal do grupo suspeito:

 

Começava com negociação direta entre o vendedor de loja situada no Paraguai e o comprador no Brasil;

 

Depois da concretização do negócio, as mercadorias estrangeiras entravam clandestinamente no país, encaminhadas aos compradores por freteiros e caminhoneiros;

 

Era realizado o pagamento das mercadorias e do frete em contas bancárias designadas pela loja do Paraguai;

 

Por último, a partir da confirmação do recebimento, as mercadorias eram entregues ao comprador.


0 comentário

Comentarios


bottom of page